Skip directly to content

Como ajudar seu filho no Para Casa!

Texto de Renata Tibúrcio e Ana Rodrigues

Antigamente o papel da escola e da família eram claramente definidos, à escola cabia o papel de educação intelectual e aos pais a educação moral e psicológica. Não era de grande interesse da escola o que acontecia na convivência familiar dos alunos e tampouco os pais informavam à instituição de ensino algo relevante que acontecera ao filho (separação dos pais, mortes,etc.).

 

Hoje, porém, essas funções têm se misturado. Pensamos na escola como um ambiente capaz de formar pessoas intelectualmente competentes, proporcionar boas relações sociais, sedimentar valores, além de levar em consideração a particularidade de cada aluno (entende-se contexto cognitivo e familiar). Nota-se também pais mais disponíveis a trocar ideias, orientações e informações na forma de criar seus filhos.

 

Contudo, alguns pais,pela crença que a escola é mais instrumentalizada e influente frente as crianças e jovens,ainda atribuem determinados aspectos da educação unicamente à escola, esquecendo-se do seu poder de influência frente aos hábitos dos filhos, bem como da coerência que deve haver entre a conduta adotada em casa e a da instituição de ensino. 

 

O dever de casa exemplifica a necessidade da escola e família caminharem juntas, agindo como uma rede de apoio para o melhor desempenho das crianças. Muitos pais afirmam que a hora de fazer as atividades escolares com os filhos é um pesadelo, gerando desgaste tanto para os adultos quanto para as crianças. Apesar disto, é inegável a importância destas tarefas para o melhor desempenho dos alunos, já que além de fixar os conteúdos dados em sala,contribuem para o desenvolvimento das noções de responsabilidade, disciplina e administração do tempo.

 

 

 

 

 

 

Como transformar a hora do Para Casa em um momento de sintonia familiar?

A Terapia Cognitiva propõe que as formas de pensar as situações são responsáveis pelos nossos sentimentos e comportamentos. Portanto,mostra-se fundamental que pais e crianças revisem seus pensamentos acerca dos deveres escolares. É comum que os alunos pensem que o Para Casa não passa de uma obrigação sem sentido, um desperdício de tempo, uma atividade chata.Essa forma de interpretação distorcida frente as tarefas acadêmicas geram, na maioria das vezes, um sentimento de raiva e insatisfação dos alunos, que tendem a postergar as atividades, executando-as com pouco empenho.Observa-se também que alguns pais acreditam que o momento de ajudar os filhos nos estudos é o que causa desarmonia e desgaste na relação entre eles, se rendendo a impaciência e a crença de que não são as pessoas apropriadas a auxiliarem seus filhos. Essa forma de pensar muitas vezes culmina na terceirização dessa função ou no desgaste cada vez mais frequente diante das obrigações escolares.

 

Os pais precisam primeiro se questionar sobre o significado que estão atribuindo à escola; os critérios que utilizam para escolhe-la, o tipo de parceria que estabelece com ela e a importância que atribuem à professora. Se o filho vê o pai interessado no seu aprendizado, se percebe que o pai tem uma boa relação com a escola que valoriza a figura do professor e apresenta um grau elevado de confiança na escola, ai ele também passará a acreditar nesta. (Ragone, 2009, p. 71)

 

O Para-casa permite que o conhecimento ultrapasse a barreira da escola e fazendo-se presente no ambiente familiar, favorecendo a cumplicidade escola e família no processo educativo.

 

Uma proposta para realizar o PARA-CASA!

Visandocontribuir para a intersecção da família e escolano que diz respeito à realização dos deveres de casa, nos inspiramos no método desenvolvido na pesquisadeMiller e Kelley(1994, http://www.walden4.com.br). Esta proposta visa utilizar definição de objetivos e contratos de contingência para melhorar o desempenho dos alunos nas tarefas de casa. Ou seja, dividir o para-casa em pequenas partes para serem realizadas em um determinado tempo e posteriormente a criança receber uma recompensa pelo que realizou.

 

1-      Primeiros passos:

·         É necessário ter horário e local definidos para realizar os estudos;

·         Verificar o tempo que normalmente a criança faz o Para-casa;

·         Os tipos de problemas que terão que ser realizados (múltipla escolha, V ou F, dissertação);

·         A quantidade de cada tipo de questão;

·         O número de questões feitos corretamente.

 

2-      Definir objetivos:

Este passo consiste em dividir a tarefa de casa em pequenos passos em um determinado tempo. Dividir as tarefas em vários pequenos objetivos requer que os pais e a criança, em conjunto, avaliem cuidadosamente os problemas e definam juntos o tempo para realizá-los. Por exemplo:

  • Fazer as 5 questões de múltipla escolha de matemática em 15 minutos;
  • Fazer 3 questões de múltipla escolha de ciências em 5 minutos;
  • Fazer 5 questões de múltipla escolha de português em 9 minutos;
  • Fazer as 2 questões dissertativas de história em 15 minutos.

Ø  Considerações importantes sobre a definição dos objetivos:

 

·         Os objetivos não podem ser nem muito fáceis nem muito difíceis;

·         Observar todos os materiais necessários para realizar a tarefa;

·         Dividir as tarefas em objetivos específicos e pequenos (se a criança não concordar, achar o meio termo);

·         Pais e crianças podem por objetivos desafiadores (mas possíveis). Se a criança completar um objetivo em um tempo significante (maior ou menor) que o acordado, os objetivos subsequentes devem ser ajustados;

·         Colocar um cronometro;

·         A criança tem o direito de pedir ajuda apenas uma vez durante o tempo de cada objetivo (ela é lembrada disso se um outro pedido for feito);

·         No fim de cada objetivo a criança fala se cumpriu ou não o objetivo e os pais avaliam;

·         Exercícios incompletos ou errados serão incorporados aos próximos objetivos e esse processo continua até o para casa ser completado. 

 

3-      Estabelecer as recompensas (contingências):

É necessário definir com a criança quais serão as recompensas (consequências) se ela realizar o para casa. As recompensas podem ser diárias e semanais, sendo necessário a cada semana os pais e os filhos negociarem.

 

É importante os pais definirem com os filhos os objetivos e as recompensas, ouvi-los atentamente, oferecer soluções, evitar críticas e estarem dispostos a cumprir os combinados. Exemplo:

·         Fez entre 90% e 100% do combinado poderá ficar 20 minutos a mais no computador ou dormir mais tarde;

·         Realizou entre 75,80% poderá assistir 10 min. de TV;

·         Se a criança atingir 85% ou mais de seus objetivos relacionados às tarefas de casa em pelo menos 3 dias essa semana, ela poderá escolher umas das seguintes recompensas: alugar um filme ou trazer um coleguinha da escola para brincar em casa;

·         Fez toda a tarefa durante a semana pode ir ao cinema, escolher o programa do final de semana, etc..

Aconselhamos que evitem que as recompensas sejam dinheiro.  A recompensa social e afetiva são as melhores e mais eficazes opções. E, se a criança não cumprir o cominado, não terá recompensa!

 

 

 

4-      Formalize esse acordo! (Modelo de contrato sugerido pelas pesquisadoras)

Contrato de Contingência - Tarefas de Casa

O seguinte material precisa ser trazido para casa todos os dias:

• ____________________________________

• ____________________________________

• ____________________________________

• ____________________________________

 

______________________ poderá escolher uma das recompensas abaixo se ele(a) atingir entre

90% e 100% dos seus objetivos relacionados às tarefas de casa:

• ____________________________________

• ____________________________________

______________________ poderá escolher uma das recompensas abaixo se ele(a) atingir entre

75% e 89% dos seus objetivos relacionados às tarefas de casa:

• ____________________________________

• ____________________________________

Se ______________________ atingir 80% ou mais de seus objetivos relacionados às tarefas de casa em pelo menos 3 dias essa semana, ele (a) poderá escolher umas das seguintes recompensas BONUS:

• ____________________________________

• ____________________________________

 

 

___________________ __________________

Assinaturas

Instituto Walden4, www.walden4.com.br | contrato adaptado de Miller e Kelley (1994), Tabela 2, p. 79

 

5-      É sempre bom lembrar!

·         Os pais podem perguntar para os filhos o que eles estão aprendendo;

·          Elogiar os pequenos sucessos;

·         É importante deixar a criança resolver os problemas e não fazer por ela;

·         Valorizar o empenho ao longo dos dias, não apenas as notas tiradas no final de semestre.