Skip directly to content

Psicodiagnóstico

Crianças e adolescentes são seres humanos complexos, cujos comportamentos são multiplamente determinados. Conforme articulado pelo modelo cognitivo, os padrões de comportamento de uma criança são respostas aprendidas, moldadas pela interação de fatores ambientais, intrapessoais, interpessoais e biológicos. Além disso, os comportamentos estão incutidos em um contexto cultural e evolutivo. A história de desenvolvimento e de aprendizagem de uma criança tem, claramente, um impacto sobre o problema apresentado e isso molda seu desenvolvimento e sua história. Fatores de vulnerabilidade constitucional ou temperamental provavelmente interagem com fatores ambientais para moldar o comportamento das crianças.

Como funciona

A avaliação é um componente-chave na terapia cognitiva, por meio da qual pode-se colher dados sobre a presença de sintomas, bem como sobre sua frequência, intensidade e duração. As informações obtidas pelos testes ainda complementam os dados da entrevista e as impressões clínicas, como também auxiliam nas decisões com relação aos alvos iniciais do tratamento e às estratégias de intervenção futuras. Portanto, os problemas apresentados, dados de testes, de história e de desenvolvimento, contexto cultural, variáveis comportamentais e cognitivas são analisados e integrados. Dessa forma, cria-se um retrato psicológico individualizado, que permite adaptar a intervenção às circunstâncias e aos estilos específicos de cada criança.
Fonte: A Prática Clínica de Terapia Cognitiva com crianças e adolescentes – Robert D. Friedberg e Jéssica M. McClure